terça-feira, 28 de abril de 2015

Publicidade institucional


Mark Sturkenboom criou o "21 Grams box memory", um kit que vem num estojo elegante que pode ser aberto com uma chave que funciona como um lindo colar. Dentro do estojo tem uma lâmpada com um pequeno pulverizador do perfume de seu amado, amplificadores de som internos com entrada para iPhone e um vibrador de vidro com 21 gramas de cinzas do falecido amado.
"21 Grams é uma caixa de memórias que permite voltar a viver as intimidades com o seu amado."

10 comentários:

C. N. Gil disse...

em três palavras:

W

T

F?????????????????!????!?!?!?!?!?!?!!!!!!!!!!!!!!!!

:)

bomamigo disse...

chiiii c`um caneco!!!
Bjs

Ly disse...

um sussurro

Shiver disse...

Creppy :S

Imprópriaparaconsumo disse...

LOLOLOL
Isto é mórbido!!
:)

Legionário disse...

No início do século XX, um médico americano de nome Duncan MacDougall quis provar que a alma existe. Pensou que, se de facto existe a alma, ela deve ser material. Sendo constituída de matéria, a alma deve ter massa e, consequentemente, peso. Se tem peso, deve ser possível medi-lo. Com base nesse raciocínio, o Dr. MacDougall mediu o peso de seis pessoas antes e depois de morrer e reparou que o fiel da balança sempre tendia para a queda do peso do já cadáver paciente.
Segundo o Dr. MacDougall, logo após a morte, o indivíduo perdeu 21g de sua massa, portanto esse deveria ser o peso da alma (uso o termo "peso" aqui lato sensu, sem a conotação de força física).
Mark Sturkenboom foi “colar” essa ideia e juntou mais um vibrador e as cinzas do defunto com muita insanidade à mistura!;)))

Estrela disse...

E tu é que tomas os comprimidos.....
*

madagascar2013 disse...

finalmente algo útil...ups...não é pó!!!!

Til disse...

Não faço a mínima ideia do que hei-de dizer aqui...

Ás de Espadas disse...

Pequena informação técnica:
As "cinzas" não são mais que os ossos triturados numa maquineta.
À temperatura a que são cremados os corpos (cerca de 1200º) não restam senão os ossos para contar a história. Cinza propriamente dita, zero!
Já quanto à ideia, sem fazer juízo de valor, será que fará grande falta à senhora da imagem?...